Março ::: Balanço de hábitos

O mês de Março já cá está e com ele aproveito para fazer uma análise das coisas que tenho conseguido.

  • Escrever. Tenho escrito regularmente aqui no blog, bem como tenho aproveitado algumas manhãs para escrever cartas (ainda estou à espera da resposta do L. ) ou simplesmente escrever sobre o que me apetece nos meus cadernos.
  • Prática de yoga. Ainda não consegui praticar a sequência da saudação ao sol numa base diária e confesso que a fiz não mais que meia dúzia de vezes em casa. Mas tenho ido religiosamente às aulas de yoga duas vezes por semana.
  • Leitura. Nesta minha senda pelo yoga tenho tido a sorte de encontrar vários livros interessantes sobre o tema. A Joana partilhou comigo alguns títulos muito úteis e um deles até já o estava a ler (emprestado por um amigo)!
  • Controlo de Despesas. No mês de Fevereiro andei a registar todas as minhas despesas diárias para poder ter uma noção maior de onde posso poupar. O resultado? Uma maior consciência dos gastos e uma poupança como nunca vi! Às vezes basta termos noção do que andamos a gastar para corrigirmos certos hábitos e rotinas financeiras que podem ser más para a carteira.

Também me propus algumas resoluções que vi falharem no mês de Março

  • Prática diária do Surya Namaskar.
  • Começar a correr

Para além destes, falhei noutros aspectos. As minhas ementas semanais foram sendo esquecidas nas últimas semanas e nem todos os dias meditei. Como escrevi aqui, há semanas que simplesmente não nos correm bem; só temos é que ter consciência de quando acontece e tentar lidar com a situação da melhor maneira possível.

Anúncios

Demasiada consciência mata a acção?

Esta semana tem-me corrido bastante mal. Sinto-me desconfortável, irritadiço, ansioso. Há semanas assim.

Nunca fui de queixumes. Nem é esse o propósito deste post. Mas resolvi reflectir sobre o que estou a sentir e o que me está, de certa forma, a prender.

Só consegui meditar na segunda-feira. Ontem e hoje acordei frustrado, cansado, desmotivado para o dia. A minha criança interior é perita em descobrir maneiras de me convencer a não fazer certas rotinas. O despertador tocou e não fui capaz de me sentar 10 minutos. Porquê? Penso que será por ter a cabeça a mil com assuntos profissionais, aquela sensação na barriga de querer que a jornada de trabalho acabe. Não sou infeliz no trabalho, pelo contrário: faço o que gosto, com excelentes pessoas. Haverá uma ou outra coisa que dispensava, mas ao fim ao cabo, gosto do que faço. Mas esta semana foi stressante e desorganizada, e nestas alturas não consigo dissociar a vida profissional da vida pessoal. Desvantagens de trabalhar em publicidade.

A nossa mente realmente prega-nos partidas. Eu sei (e costumo sentir) que a meditação me transmite uma paz interior, uma melhor organização mental. E numa semana em que as coisas no trabalho não correm sobre rodas, mas sim sobre pedras, a falta da meditação fez toda a diferença. À medida que escrevo estas palavras começo a sorrir. Talvez por saber que umas das soluções para o meu problema poderá passar por me sentar 10 minutos e focar-me apenas na respiração. Sempre tive a tendência de racionalizar em demasia as minhas acções, sensações e intenções. Há muitos anos li uma frase escrita numa parede ao pé da minha faculdade que dizia: demasiada consciência mata a acção. Na altura discordei, porque sou adepto de acções em plena consciência. Mas também sei que o pensar demais poderá procrastinar qualquer tipo de acção por um tempo indefinido – para não dizer infinito.

Claro que a mudança de hábitos também pode ser prejudicial. O simples facto de não ter meditado pode ter agravado a forma como processei certos eventos. Pode não, quase de certeza que agravou. Ou se calhar foi só um dia mau.

Tenho a cabeça cheia. E nada melhor que a meditação para acalmar o assombro de pensamentos.

Rotina Matinal ::: Fevereiro 2015

Hábitos saudáveis para manhãs vigorosas!
Hábitos saudáveis para manhãs vigorosas!

Escrevi aqui há uns tempos um post com dicas para um melhor acordar.

Desde então tenho aperfeiçoado o meu arranque matinal com óptimos resultados que quero partilhar convosco. Eu sou uma pessoa bastante ansiosa e nervosa, a nível interior. Apesar de parecer calmo por fora, normalmente estou sempre ansioso e a querer passar à próxima tarefa durante o dia, a prever (e a stressar) com tarefas que se avizinham. E trabalhando em publicidade, o stress acaba por ser constante, com as interacções com as agências, clientes, prazos apertados e exigências profissionais. Mais que constante, às vezes parece que o stress acaba por se traduzir num mal estar físico que pode tornar-se intolerável.

Assim, e já a preparar a chegada do mês de Fevereiro, estou a tentar aperfeiçoar o meu ritual todas as manhãs de modo a acordar bem disposto, sereno e motivado para o dia que se avizinha! Eis as novidades:

  • Ligo a chaleira e preparo a minha chávena com o chá da minha escolha (normalmente é preto, english breakfast ou earl grey – são os meus preferidos para as manhãs).
  • Alongamentos e exercício leve. Aqui está um hábito que ando a tentar implementar e que será o hábito novo do mês de Fevereiro. Enquanto a água aquece, aproveito e faço alguns alongamentos de pernas, braços, peito e costas e faço uma sequência de flexões de braços, agachamentos e prancha. Nada de especial, são apenas alguns minutos para acordar o corpo e pôr o sangue a circular.
  • Deixo o chá a fazer. Depois da minha sequência de alongamentos e exercício, a água já está bem quente e deito-a na minha chávena e deixo o chá abrir.
  • Meditação. Os pequenos hábitos podem ser despoletados por hábitos já existentes (deixo aqui uma Ted Talk muito interessante sobre este tema). Eu há uns meses introduzi uma rotina de meditação, imediatamente após acordar e ir à casa de banho. Ela agora está a seguir a preparar aos alongamentos e preparação do chá, o que para mim é mais lógico, para começar a acalmar a minha mente para o dia que se avizinha. Dependendo dos dias opto por não ter som nenhum (a não ser o alarme do temporizador), ou por uma música de meditação. A maior parte das vezes acabo sempre por seguir meditações guiadas. Há umas quantas muito interessantes e feitas por pessoas que realmente sabem do que falam. Esta semana vou fazer um post sobre as melhores meditações guiadas que já encontrei aqui na web.
  • Pequeno-Almoço. Odeio comer à pressa, pois fico mal disposto e indigesto. Assim, já depois da meditação, tenho à minha espera um chávena de chá pronta e começo a fazer o meu pequeno almoço. A ementa matinal varia, consoante a minha disposição. Muitas das vezes bebo um super batido com vegetais, fruta, aveia, sementes com iogurte. Outra faço só um batido de fruta e como umas torradas ou opto por comer cereais com frutos secos e sementes num tigela com iogurte. Outras vezes, como simplesmente o que houver.

Eu sou bastante organizado nas minhas rotinas semanais e uma das coisas que mais me ajuda é deixar alguns afazeres despachados na véspera. Tenho sempre a minha marmita com o almoço do dia seguinte pronta, com peças de fruta e frutos secos. Deixo a roupa que vou vestir já escolhida para de manhã não perder tempo. Acabo sempre as minhas manhãs a saborear o primeiro cigarro do dia enquanto consulto alguns sites que gosto, vejo as notícias e organizo o dia que está prestes a arrancar (se vou às compras, se vou ter com algum amigo ao final do dia, se tenho yoga ou se vou correr).

 

O que fazer num dia de chuva?

Chuva. O que podemos fazer?
Coisas para se fazer num dia de chuva.

Sempre tive uma relação complicada com a chuva. Um amor-ódio que não sei bem explicar.

Gosto de ver a chuva cair nas janelas da minha casa, aconchegado por boa música ou um bom filme, a sentir o fumegar de um chá reconfortante enquanto me deixo estar embrulhado numa manta. Detesto ter que sair para trabalhar ou tratar de alguma coisa à chuva, é desconfortável, as pessoas ficam muito mais mal dispostas e cinzentas e não há paciência para o trânsito Lisboeta nestes dias.

Mas vou-me deixar de fatalismos. Há coisas que podemos fazer num dia de chuva de modo a sentirmos que realmente aproveitamos o dia, secos, da melhor maneira:

  • Limpar e arrumar a casa. Nestes dias o tempo chuvosos não é de todo convidativo a passeatas. Assim sendo, limpar e arrumar as divisões da nossa casa não é tão aborrecido. E já que somos forçados a estar dentro de casa, mais vale aproveitar e começar a arrumar. Mesmo que não seja a nossa maior vontade, o ideal é irmos divisão a divisão enquanto a nossa paciência permitir. Esta compartimentação da actividade é ideal pois às vezes basta começar que vai tudo a eito!
  • Jogar em família ou com amigos. Muitos de nós temos jogos de tabuleiro, cartas e afins parados em casa à espera de uma oportunidade de voltar a jogar. Com a chuva a bater lá fora, um jogo com a família ou amigos, acompanhado por um bom chá quente e uns biscoitos (não são amigos da dieta, mas um dia não são dias!) pode-se tornar numa tarde ou serão muito agradáveis.
  • Ir visitar um Museu. Os museus em Portugal andam pela hora da amargura no que diz respeito aos visitantes. E temos sempre imensas exposições e colecções para ver e rever de forma gratuita. O estacionamento ou o acesso a estes museus pode ser complicado, mas em dias de chuva a afluência é menor e vale a pena sempre a pena. O saber – neste caso a cultura- não ocupa lugar.
  • Ver um filme ou um documentário. Um dos meus passatempos preferidos é ver filmes. Sejam de ficção ou documentais, são sempre uma excelente maneira de se passar um par de horas na companhia de quem gostamos. Com o bónus de podermos ficar confortáveis no nosso sofá, sem os incómodos das pipocas dos vizinhos, conversas em paralelo, etc. Ah! E podemos fazer pausas sempre que quisermos já que, para além de espectadores, somos também os projeccionistas!

Todas estas ideias são formas fáceis, gratuitas ou muito baratas, de aproveitarmos um dia de chuva! Não se deixem contagiar pelo cinzento do dia e sorriam-lhe de volta com energia e actividade.

Ambições para 2015

Ambições e objectivos para 2015
O caminho para os objectivos deste novo ano 2015!

Não tenho estado muito activo aqui no blog porque estive a braços com uma dor de cabeça que dura há mais de seis (sim, seis!!!) semanas. Tem sido bastante difícil conjugar o dia de trabalho e afazeres domésticos com as dores, mas entretanto já fiz exames e estou medicado. Nos últimos dias a dor não tem aparecido e isso permite-me ter mais força para as minhas coisas.

Ora, se fui honesto para comigo mesmo e listei os meus sucessos e falhanços de 2014, reparei que com estas atribulações todas do arranque do novo ano acabei por não escrever as minhas ambições para 2015. Nunca liguei muito a este tipo de coisas, mas dentro do espírito de mudança e crescimento, quero delinear convosco um conjunto de objectivos e metas que gostava de cumprir e atingir.

  • Usar cada um dos meses do ano para desenvolver um novo hábito. Já li mais que uma vez que bastam 30 dias para criarmos um hábito e já o comprovei por experiência própria. Hei-de aprofundar mais este tema e listar o que quero fazer com cada um dos meses do ano.
  • Juntar um bom pé de meia para uma viagem à Ásia. Eu e a V. andamos com ideias de ir ou ao Nepal (com um salto a Varanasi, na Índia) ou à Tailândia e Laos. Tudo vai depender dos preços e da nossa vontade mais para a frente no ano.
  • Tornar-me Vegetariano. Já fui vegetariano, há pouco mais de 10 anos, por razões de compaixão para com os animais. Porém, a falta de informação da altura aliada à minha pouca força de vontade fizeram-me abandonar o meu regime alimentar. Em Dezembro do ano passado tive o privilégio de ver “Cowspiracy“, o documentário que tanto anda a dar que falar em Portugal e no mundo. Foi o abrir de olhos perante a sustentabilidade do nosso planeta e da gestão dos recursos para que cheguem para todos os 7 mil milhões de habitantes do planeta Terra. Já comecei a reduzir o consumo de carne drásticamente (2 refeições por semana, no máximo) e, acima de tudo, sinto-me bem com isso.
  • Ser melhor pessoa. Acho que temos sempre margem para evoluir e nos tornarmos melhores em todos os aspectos. Enquanto filhos, enquanto amigos, enquanto desconhecidos. E gostava de corrigir as minhas imperfeições, garantir que não as considero feitios mas sim defeitos. Defeitos passíveis de serem corrigidos.

E são estes os meus objectivos para 2015. Espero que quando listar os meus sucessos no final do ano, possa encontrar esta lista na íntegra! Vou fazer por isso.