#NaNoWriMo

É verdade. O objectivo de escrever 50.000 palavras no mês de Novembro não foi cumprido.

Devo ter escrito à volta de 6000. Pouco mais de um décimo da meta. Certo que me escudei vários dias no sofrimento do pós-operatório, mas tive o resto do mês para por a escrita em prática.

Chego à conclusão que preciso do tempo certo, para a coisa certa. Tenho escrito todos os dias, mas sobre temas diferentes. Ideias, posts aqui no blog, críticas a séries, livros e bd’s. Nalguns dias, abro o projecto do livro e escrevinho mais algumas palavras. A ideia não morreu, vai é com um ritmo diferente.

Anúncios

NaNoWriMo ::: Dia 1 ::: 2570 palavras

Okay, este é o primeiro dia do NaNoWrimo. Oficialmente, já começou. Durante os próximos 30 dias comprometi-me a escrever uma média de 1667 palavras por dia para conseguir cumprir a meta de 50.000 palavras.

Confesso que tive um primeiro empurrão desde o dia de ontem, com cerca de 900 palavras. Mas com a ajuda do outline hoje acabei o dia com um total de 2570 palavras! Agora, é continuar!

Boa noite e boa semana!

NaNoWriMo – Aqui vamos nós!

É oficial. Este ano vou participar pela primeira no NaNoWriMo.

Acho que foi em 2011 que tomei conhecimento deste movimento literário que faz com que centenas de milhar de pessoas de todo o mundo se reúnam com o intuito de escrever 50.000 palavras durante o mês de Novembro. Ou seja, 30 dias. Por dia são necessárias uma média de 1667 palavras para que o desafio seja atingido. E acho mesmo que esta é uma excelente maneira de motivar e incentivar todos os aspirantes a escritores a iniciaram-se pela primeira vez neste tipo de aventura literária.

Sempre gostei de escrever. Aliás, sempre foi uma grande paixão. Mas a minha preguiça interior aliada ao meu inner editor (um termo com que me cruzei recentemente) sempre fizeram com que não passasse da segunda página das minhas histórias. Aonde sempre fui mais profícuo foi no mundo da blogosfera e na poesia. Coisa mais imediatas, mais sintéticas mas igualmente trabalhosas. Depois durante a minha licenciatura em Cinema, desenvolvi um enorme gosto pela escrita de guiões e pela linguagem pictórica do mundo audiovisual. O show, don’t tell foi-me incutido e acho que isso se nota no meu tipo de escrita literária.

Mas não me querendo afastar muito mais do tema principal, este ano preparei o meu enredo, o meu conflito, as minhas personagens e delineei a estrutura da minha historia. Tudo pronto para daqui a escassos minutos entrar de cabeça no primeiro esboço do meu primeiro livro.

A ideia inicial era escrever sobre ficção científica. Sabem que gosto bastante do tema e de distopias. Porém, acabei por concordar comigo mesmo no que diz respeito a não escrever sobre o que não domino totalmente. E optei por escrever sobre aquilo que conheço melhor que é o mundo actual com os seus dissabores e conflitos diários. A história é baseada num amigo, que conheci na adolescência, num período difícil de ambas as nossas vidas. Feliz ou infelizmente, as nossas vidas tomaram rumos muitos diferentes e a dele não correu pelo melhor. Assim, tomei a liberdade de fantasiar uma série de situações sobre a vida dele e um novo personagem nasceu, completamente diferente, e deu vida a uma narrativa que me atrai bastante.

Assim sendo, vou comentando aqui no blog como está a correr esta maluqueira e a ver se consigo o objectivo de 50.000 palavras no final do mês de Novembro. Espero até fazer um figuraço e acabar alguns dias antes.

Dizer não à procrastinação.

Tenho andado afastado.

Sem qualquer desculpa, diga-se de passagem. Sim estive adoentado e com alguns problemas físicos mas sei que os usei como mera desculpa.

Hoje, estou a tentar voltar com um novo hábito. No meu último post falei-vos de estar a tentar criar o hábito de me levantar ainda mais cedo. Nisso, tive sucesso. Tenho acordado pelas 08h e tenho conseguido ter realmente mais tempo para mim. Mas isso parecia não ser o suficiente. Sentia que estava a desperdiçar a minha disponibilidade porque mesmo acordando mais cedo, a minha rotina permanecia inalterada: acordava, meditava, tomava o pequeno-almoço, banho e seguia para o trabalho. E pus-me a pensar: qual é o propósito de acordar mais cedo se acabo por fazer exactamente as mesmas coisas?

Olhando agora de um outra perspectiva, o acordar mais cedo deu-me exactamente o que eu precisava: tempo. Aqueles minutos extra antes de ir para o trabalho com os quais eu poderia fazer muita coisa. E ontem pus-me a pensar como poderia eu aproveitar este tempo, esta disponibilidade. Eis que me surge a ideia de escrever de manhã para o blog.

Numa das minhas deambulações pela blogosfera, acabei por me aperceber que existem milhares de bloggers com vidas tão complicadas, ou até mais, que a minha. Filhos, empregos que consomem mais que oito horas diárias de trabalho, etc. Então, qual era o meu problema?

Procrastinação, preguiça e falta de força de vontade. Hoje, decidi-me a escrever antes de ir para o trabalho, já depois de estar totalmente arranjado. E consegui uma boa meia-hora de escrita neste post. O que me prova que realmente eu tenho todas as ferramentas dentro de mim para atingir a mudança. Nos últimos três meses consegui mudar a minha dieta (com progressivas pequenas alterações), voltar ao exercício e começar a meditar. Tudo acções proveitosas cujos resultados são palpáveis no meu quotidiano.Mas ainda não estava a viver como queria. Faltava-me a paixão.

São as nossas paixões que também, mas não só, nos definem. Não são as projecções mentais do que queríamos ser, nem a idolatria às pessoas que achamos fascinantes. A distância de as conseguirmos está a um mero impulso da nossa força de vontade. Tenho vindo a ficar cada vez mais ciente deste facto.

Assim sendo, quero começar a escrever durante os dias da semana aqui no blog. As pequenas dicas que comigo funcionam, as minhas melhorias. Já acordo mais cedo. Agora é começar a escrever.